Verão é época de reforço nos cuidados contra o câncer de pele

sunbathing on the beachQuem não gosta de curtir o sol, seja na praia ou na piscina, com a família ou os amigos? Mas para que a temporada de férias não vire um problema, é bom ficar atento aos cuidados com a pele. O sol em excesso é o principal fator para desencadear problemas como o câncer, além de causar desconforto e problemas estéticos.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), cerca de 180 mil novos casos de câncer de pele devem atingir os brasileiros somente em 2016. O último levantamento, realizado em 2013, apontou que 3361 pessoas morreram vítimas da doença, sendo 1930 homens e 1431 mulheres.

Escolher um bom horário para se expor ao sol e sempre usar o protetor solar são algumas das recomendações. A médica oncologista da Oncomed BH, Dra. Letícia Carvalho destaca um ponto importante. O protetor solar “não deve ser usado com o objetivo de permitir o aumento do tempo de exposição ao sol, nem para estimular o bronzeamento”.

Dividido em dois grandes grupos, melanoma e não melanoma, o câncer de pele é considerado o mais frequente no Brasil. Os melanomas são mais raros, com cerca de 3 casos por 100.000 pessoas/ano, tem crescimento mais rápido e são mais agressivos. Já os não melanomas são bem mais frequentes, apresentando cerca de 70 casos por 100.000 habitantes/ano, tem crescimento mais lento e são menos agressivos. Mesmo assim, não é bom arriscar. Como acontece com quase todas as doenças, a prevenção ainda é melhor saída.

Confira abaixo algumas medidas preventivas:

  • Evitar a exposição solar e permanecer na sombra entre 10 e 16h (horário de verão);
  • Utilizar chapéus, camisetas, guarda-sol, óculos escuros e filtros solares com fator de proteção 30 ou superior;
  • Na praia ou na piscina, usar barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material;
  • Observar regularmente a própria pele, à procura de pintas ou manchas suspeitas;
  • Consultar um dermatologista, uma vez ao ano, no mínimo, para um exame completo;
  • Manter bebês e crianças protegidos do sol. Filtros solares podem ser usados a partir dos seis meses;
  • Devem evitar a exposição excessiva ao sol pessoas de pele clara, com histórico prévio de câncer de pele, história familiar de melanoma, nevo congênito (pinta escura), maturidade (após 15 anos de idade a propensão para este tipo de câncer aumenta), xeroderma pigmentoso (doença congênita que se caracteriza pela intolerância total da pele ao sol, com queimaduras externas, lesões crônicas e tumores múltiplos) e nevo displásico (lesões escuras da pele com alterações celulares pré-cancerosas).

O tratamento desse tipo de câncer pode ser realizado com cirurgia de remoção da lesão, tratamento tópico ou radioterapia, dependendo da avaliação do médico sobre o tipo do tumor, tamanho e localização. As informações são da Oncomed, clínica especializada na prevenção e no tratamento das doenças neoplásicas, fundada em 1994, em Belo Horizonte.


André Correia é co-fundador do Lavanderia, está a frente deste blog e escreve algumas das matérias e notícias apresentadas aqui. Paralelamente, se arrisca comentando os assuntos que gosta, como música, televisão e fotografia, além de crônicas sobre o cotidiano da profissão. Escreve também no blog Mercado, seção de economia, emprego e mídia do Lavanderia.